quarta-feira, 16 de setembro de 2015

ÓPTICA

Óptica é o ramo da física que estuda os fenômenos relacionados à luz. Devido ao fato do sentido da visão ser o que mais contribui para a aquisição do conhecimento, a óptica é uma ciência bastante antiga, surgindo a partir do momento em que as pessoas começaram a fazer questionamentos sobre o funcionamento da visão e sua relação com os fenômenos ópticos.

Os princípios fundamentais da óptica são:
1º - Princípio da Propagação Retilínea: a luz sempre se propaga em linha reta;
2º - Princípio da Independência de raios de luz: os raios de luz são independentes, podendo até mesmo se cruzarem, não ocasionando nenhuma mudança em relação à direção dos mesmos;
3º - Princípio da Reversibilidade da Luz: a luz é reversível. Por exemplo, se vemos alguém através de um espelho, certamente essa pessoa também nos verá. Assim, os raios de luz sempre são capazes de fazer o caminho na direção inversa.

A luz pode ser propagada em três diferentes tipos de meios.
Os meios transparentes permitem a passagem ordenada dos raios de luz, dando a possibilidade de ver os corpos com nitidez. Exemplos: vidro polido, ar atmosférico, etc.
Nos meios translúcidos a luz também se propaga, porém de maneira desordenada, fazendo com que os corpos sejam vistos sem nitidez. Exemplos: vidro fosco, plásticos, etc.
Os meios opacos são aqueles que impedem completamente a passagem de luz, não permitindo a visão de corpos através dos mesmos. Exemplos: portas de madeira, paredes de cimento, pessoas, etc.

Quando os raios de luz incidem em uma superfície, eles podem ser refletidos regular ou difusamente, refratados ou absorvidos pelo meio em que incidem. A reflexão regular ocorre quando um raio de luz incide sobre uma superfície e é refletido de forma cilíndrica, diferentemente da reflexão difusa, onde os feixes de luz são refletidos em todas as direções.

A refração da luz ocorre quando os feixes de luz mudam de velocidade e de direção quando passam de um meio para outro. A absorção é o fenômeno onde as superfícies absorvem parte ou toda a quantidade de luz que é incidida.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Explicação de Terapias

Para explicar a terapia quântica nada melhor do que uma comparação básica daquilo que é, apenas uma, das funções desta terapia. Você consegue imaginar um telemóvel a funcionar sem a bateria estar carregada? Ou um computador a conseguir fazer tudo o que você precisa – internet, vídeos, processamento de dados e textos – com uma bateria a meio gás? Ou a instalação elétrica da sua casa a funcionar em pleno com curto-circuito numa tomada?
Então porque é que acha que nós, seres humanos, seres elétricos como provado pelo Einstein, funcionamos com as nossas baterias mentais, emocionais e físicas descarregadas? Não funcionamos... ponto final.
É aqui que entra a terapia quântica, ou o quantum biofeedback elétrico, como eu prefiro chamar uma vez que é o termo correto. Com recurso a um equipamento próprio, vamos perceber antes de mais como o stress afetou os nossos clientes comparando as suas reactividades elétricas com as mais de 11 mil assinaturas registadas no equipamento que têm aquilo que são considerados os valores padrão/saudáveis. Depois deste “check up” elétrico vamos reequilibrar o que está desequilibrado e vamos acima de tudo carregar as baterias garantindo automaticamente ao nosso cliente uma rápida sensação de bem-estar, de serenidade e de paz.
Cada cliente é um caso, cada um terá as suas próprias reatividades e, por isso, para mim, esta é uma terapia super completa. Ou seja, não temos com a quântica soluções padrão, soluções iguais para todos, mas sim treinamentos personalizados que vão, acima de tudo, trabalhar com a reatividade individual de cada um de nós, ou por outras palavras, com a forma individual com que nós reagimos ao stress e com as causas individuais que nos provocam determinado mal estar ou determinada quebra nas nossas baterias. Ou seja, vamos às causas e não às consequências. E menos stress é sempre igual a mais felicidade, e isto é irrefutável.
Agora atenção. Muitas pessoas acham que o stress está apenas associado a coisas como cumprimento de prazos de trabalho, stress familiar ou de relacionamento, problemas financeiros, engarrafamento de trânsito ou à morte de um ente querido. No entanto, as reações de stress também acontecem a nível celular, subtil, energético ou a nível inconsciente, sempre que somos expostos a uma toxina, a um patógeno ou a um alérgeno; ede  todas as vezes que o corpo sofre de uma deficiência ou de um excesso nutricional.

O corpo elétrico
Resumindo, o corpo é 100% elétrico. Uma grande quantidade dos processos fisiológicos escapa à nossa perceção consciente e verbal, o que os define como subtis. Por exemplo, não temos consciência imediata da nossa tensão muscular quando ela é criada, nem estamos conscientes da libertação das enzimas pelo pâncreas, ou das alterações das ondas do nosso cérebro. Todas as ações implicam alguma espécie de transferência de energia elétrica, química, quântica, fotónica ou outra.
O corpo é um sistema dinâmico que nunca está estático; por exemplo, não pode haver nunca um valor único da pressão arterial, porque ela altera-se dramaticamente a cada minuto. As reações ou reatividade de um paciente a uma multiplicidade de estímulos é uma ferramenta importante na capacidade do Sistema INDIGO Biofeedback para ajudar o cliente a re-treinar as reações, mesmo a parâmetros subtis, não verbais e inconscientes da sua fisiologia.
Outros fatores que contribuem para a popularidade internacional deste sistema são o loop cibernético e a capacidade de auto focus para maximizar a capacidade do treino. O loop cibernético é uma comunicação de dois sentidos entre o equipamento e o computador que está constantemente a “testar” o cliente e a medir o seu progresso. A função de auto focus funciona conjuntamente com o loop cibernético para permitir que os técnicos individualizem os seus protocolos de treino a fim de atenderem as necessidades específicas e muito detalhadas de cada cliente."Todas as ações no corpo humano implicam alguma espécie de transferência de energia elétrica, química, quântica, fotónica ou outra"Muito poucos tipos de terapias, sejam elas cura com as mãos, médicas ou de saúde mental, permitem que o terapeuta veja exatamente como é que os seus clientes estão a responder, momento a momento, à intervenção. Este sistema calcula, na verdade, uma percentagem de alterações, dando um valor de retificação, depois da conclusão de cada programa de redução de stress. Este é um benefício muito importante para os técnicos.

O programa pode permitir uma focalização incrivelmente profunda, sendo ao mesmo tempo excepcionalmente fácil de utilizar. Na grande maioria das vezes, quando o técnico abre um determinado painel de treino são evidenciados os programas de biofeedback mais adequados ao cliente, baseados nas suas respostas ao teste das reações electrofisiológicas (REF). As opções podem também ser feitas recorrendo ao auto focus para determinar qual será o programa mais útil nesse painel. 

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Interpretações da Física Quântica

Uma interpretação da Mecânica Quântica é uma tentativa de responder a questão: Sobre o que trata exatamente a Mecânica Quântica? A questão têm as suas raízes históricas na natureza mesma da Mecânica Quântica, que desde um princípio foi considerada como uma teoria radicalmente diferente das teorias Físicas precedentes. Porém, a Mecânica Quântica têm sido descrita como a teoria "mais comprovada e de maior sucesso na história da ciência"

Mecânica Quântica, como uma teoria científica, tem sido muito bem sucedida em prever resultados experimentais. Isto significa, primeiro, que há uma correspondência bem definida entre os elementos do formalismo (matemático, abstrato) e os procedimentos experimentais e, em segundo lugar, que os resultado obtidos neste experimentos estão extremamente de acordo com o formalismo. Além disso, que as questões básicas de que o que significa a Mecânica Quântica são ainda uma proposta em si mesmas e requerem algumas explicações.
O entendimento da estrutura matemática da teoria trilhou vários estágios preliminares de desenvolvimento. Por exemplo, Schrödinger de início não entendeu a natureza probabilística da função de onda associada ao elétron; Foi Max Born que propôs uma interpretação de uma distribuição de probabilidade no espaço para a posição do elétron. Outros cientistas de destaque, tais como Albert Einstein, tiveram grande dificuldade em concordar com a teoria. Mesmo se estes pontos forem tratados como problemas menores, eles têm grande importância para atividades de interpretação.
Disto não se deve, porém, presumir que a maioria dos físicos considere que a Mecânica Quântica necessite de uma interpretação, além das mínimas fornecidas pela interpretação instrumentalista, as quais serão discutidas abaixo. A interpretação de Copenhague, no ano de 2005, ainda parecia ser a mais popular entre os cientistas (seguida pelas histórias consistentes e interpretação de muitos mundos). Mas também é verdade que a maioria dos fisicos considera que questões não instrumentais (em particular questões ontológicas) sejam irrelevantes para a Física. Eles remetem ao ponto de vista de Paul Dirac, depois expresso em um famoso ditado: "Cale-se e calcule" frequentemente (talvez erroneamente) atribuído a Richard Feynman.
(Fonte: Wikipédia)

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Prémio Nobel da Física 2012

Criados em 1895 pelo sueco por Alfred  Nobel,  os prémios nobéis, revelam o reconhecimento internacional do trabalho dos investigadores científicos ( e o papel de individualidades na paz mundial) em diversas áreas como a economia, a medicina e a química. No ano de 2012, o prémio NOBEL da física foi atribuído  ao norte-americano David Wineland e ao marroquino naturalizado francês Serge Haroche “por métodos experimentais inovadores que permitem medir e manipular sistemas quânticos individuais”.













   Ambos os investigadores "inventaram e desenvolveram métodos para medir e manipular partículas individuais, preservando a sua natureza quântica, de um modo que se julgava inalcançável".

Na escala quântica, as partículas individuais de luz e matéria, comportam-se  de maneira distinta daquela que era conhecida  nas leis da física clássica. O facto das partículas apresentarem dois estados diferentes, simultaneamente impossibilitava  a sua observação direta, uma vez que essas partículas perdem essas características assim que interagiiam com o mundo externo. Desse modo, esses fenómenos só podiam ser previstos a partir de conjecturas teóricas. Os dois cientistas, estudaram a interação entre luz e matéria, tendo conseguido,  pela primeira vez, medir algumas dessas características.
Wineland baseou-se na natureza dos íons, átomos eletricamente carregados. O físico usou campos elétricos para manter as partículas aprisionadas no vácuo, longe da radiação e de altas temperaturas. Com um laser, ele conseguiu controlar o estado energético dos íons, permitindo o estudo de fenómenos quânticos dentro do mecanismo. O laser pode, por exemplo, colocar a partícula no estado de superposição, em que ocupa dois níveis energéticos ao mesmo tempo.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

O que é a Mecânica Quântica

"Qualquer um que não se choque com a
Mecânica Quântica é porque não a entendeu."
                                                                                (Niels Bohr)

A Mecânica Quântica (Física Quântica) é a teoria Física que obtém sucesso no estudo dos sistemas físicos cujas dimensões são próximas ou abaixo da escala atômica, tais como moléculas, átomos, elétrons, prótons e de outras partículas subatômicas, muito embora também possa descrever fenômenos macroscópicos em diversos casos. A Mecânica Quântica é um ramo fundamental da Física com vasta aplicação. A teoria quântica fornece descrições precisas para muitos fenômenos previamente inexplicados tais como a radiação de corpo negro e as órbitas estáveis do elétron. Apesar de na maioria dos casos a Mecânica Quântica ser relevante para descrever sistemas microscópicos, os seus efeitos específicos não são somente perceptíveis em tal escala. Por exemplo, a explicação de fenômenos macroscópicos como a super fluidez e a supercondutividade só é possível se considerarmos que o comportamento microscópico da matéria é quântico. A quantidade característica da teoria, que determina quando ela é necessária para a descrição de um fenômeno, é a chamada constante de Planck, que tem dimensão de momento angular ou, equivalentemente, de ação.

A Mecânica Quântica recebe esse nome por prever um fenômeno bastante conhecido dos físicos: a quantização. No caso dos estados ligados (por exemplo, um elétron orbitando em torno de um núcleo positivo) a Mecânica Quântica prevê que a energia (do elétron) deve ser quantizada. Este fenômeno é completamente alheio ao que prevê a teoria clássica.

(Fonte: Wikipédia)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Transformação quântica do pensamento

Estamos presos a certos preceitos sem saber disso. É um paradoxo. O materialismo moderno tira das pessoas a necessidade de se sentirem responsáveis por suas vidas, assim como a religião! Mas eu estou persuadido a pensar que se levar a mecânica quântica a sério, verá que ela coloca a responsabilidade nas nossas mãos e não nos dá respostas reconfortantes...

A física quântica calcula apenas possibilidades. Em vez de pensarmos nas coisas como possibilidades, temos o hábito de pensar que os objetos que nos cercam existem sem a nossa contribuição, sem a nossa escolha... Você precisa banir essa forma de pensar e reconhecer que no mundo material, as cadeiras, as mesas, as salas, os tapetes - não são nada além de possíveis movimentos da consciência.

E eu escolho momentos nesses movimentos para manifestar a minha experiência atual. É algo radical que precisamos compreender, mas é muito difícil, pois achamos que o mundo já existe independente da nossa experiência. Mas não é assim e a física quântica é bem clara.

O próprio Heisenberg, depois da descoberta da física quântica, disse que os átomos não são objetos, são tendências. Em vez de pensar em objetos, você deve pensar em possibilidades. Tudo é possibilidade subconscientemente!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Quantum

" Se queres ser feliz amanhã, tenta hoje mesmo "

domingo, 17 de agosto de 2008

De Einstein a Planck, de Shumann a Rife

Max Planck , em 14 de dezembro de 1900, anuncia, na Sociedade Berlinense de Física, que a energia não é emitida e nem absorvida continuamente, mas sim na forma de muito pequenas porções discretas chamadas quantum ou fótons , cuja grandeza é proporcional à frequência da radiação.
Nascia a Física Quântica e consolidavam-se as mudanças de concepção que já vinham sendo anunciadas desde os fins do século XIX. Abandonava-se, assim, definitivamente, a ideia de que a Física deva ocupar-se da causalidade do movimento pela tarefa teórica, amadurecida com a obra de Newton, no século XVII, de descrever a ordem natural, "com experiências seguras [...], com o auxílio da geometria" procurando, como escreveu Kant no século XVIII, "estabelecer as regras segundo as quais ocorrem certos fenómenos na natureza . Sublinhe-se que a Física nasce com Aristóteles no século III antes de Cristo ocupando-se da " substância que tem em si mesma a causa de seu movimento", conforme escreve o filósofo grego em “ Metafísica VI” , isto é, a Física é uma teoria do movimento.
Em 1865, James Maxwell descobre os comportamentos dos campos eléctrico e magnético e as suas interacções com a matéria e fornece uma explicação quantitativa da luz como onda eletromagnética o que é considerada um dos grandes triunfos da física do século XIX Não tendo tido tempo em vida para poder assistir à comprovação da sua teoria que estava correcta, esta foi realizada em 1987 pelo Físico Alemão Heinrich Hertz.
Em 1924, Louis de Broglie propôs uma teoria segundo a qual os elétrons possuem uma onda associada, que influenciaria as características do seu movimento. A tese de De Broglie foi aperfeiçoada por Erwin Schrödinger, que a utilizou para chegar, em 1926, ao que é hoje a mais usada formulação matemática da Mecânica Quântica ( a equação de Schrödinger). A teoria ondulatória conseguiu explicar como os elétrons dos átomos não podem possuir qualquer energia, e, conseqüentemente, não podem ocupar qualquer órbita ao redor do núcleo, mas apenas algumas pré-determinadas - um caso particular do fenômeno da quantização da energia. A existência de apenas algumas freqüências permitidas em vibrações de estruturas circulares (no caso dos elétrons, as freqüências das "ondas de De Broglie" correspondem às suas energias) é um efeito natural que ocorre com qualquer tipo de onda.
Einstein e Infeld em "The Evolution of Physics", anotando que fora necessária "uma corajosa imaginação científica para reconhecer que o fundamental para a ordenação e a compreensão dos acontecimentos podia não ser o comportamento dos corpos; mas o comportamento de alguma coisa que se interpõe entre eles, isto é, o campo -", indicam de forma clara os problemas que a Física Relativista trazia para a pretensão da Física Clássica de realizar a descrição do curso dos fenómenos através da representação visual das partículas em movimento. A relação de Einstein com a Física Quântica é interessante. Ele foi o primeiro a afirmar que a teoria quântica era revolucionária. A sua ideia de luz quântica foi um corte com a Física clássica, tendo passado os últimos anos da sua vida a encontrar uma teoria que unificasse a mecânica quântica com a sua teoria da relatividade geral , mas através de uma argumentação determinista e não probabilística ( Deus , não joga dados, dizia Einstein).
Desde o início de sua formulação, a Física Quântica apresentou uma dificuldade essencial: a necessidade de se atribuir um papel fundamental para a figura do observador (aquele que está a realizar uma experiência quântica). Isso decorre do fatco da teoria quântica ser de carácter não determinístico, ou seja, trata-se de uma teoria para a qual a fixação do estado inicial de um sistema quântico (um átomo, por exemplo) não é suficiente para determinar com certeza qual será o resultado de uma medida efectuada posteriormente sobre esse mesmo sistema. Pode-se, contudo, determinar a probabilidade de que tal ou qual resultado venha a ocorrer. Mas, quem define o que será medido e qual resultado que se obtém com uma determinada medida é o observador. Com isso, nas palavras de E. P. Wigner, " foi necessária a consciência para completar a mecânica quântica".
De forma resumida, pode-se dizer que as descrições mais convencionais apontam a consciência como sendo uma propriedade emergente das actividades computacionais realizadas pelas redes de neurónios que constituem o cérebro. O cérebro é visto essencialmente como um "computador" para o qual as excitações neurais (correspondentes à actividade sináptica) seriam os estados de informação fundamentais (equivalentes aos bits). A partir dessa visão, certos padrões de actividades neurais teriam estados mentais correlacionados, sendo que oscilações sincronizadas no tálamo e no córtex cerebral produziriam uma conexão temporária dessas informações e a consciência surgiria como uma propriedade nova e singular, emergente da complexidade computacional das redes neurais actuando em sincronia
Mas, afinal de que efeitos tão estranhos, dos quais temos estado a falar ?
O leitor certamente surpreender-se-ía se disséssemos que sem a mecânica quântica não conheceríamos inúmeros objectos com os quais lidamos quatodianamente, hoje em dia. Só para ter uma ideia podemos mencionar o nosso aparelho de CD, o controle remoto de nossas TVs, os aparelhos de ressonância magnética em hospitais ou até mesmo o micro-computador que está a utilizar para ler este artigo. Todos os dispositivos electrônicos usados nos equipamentos da chamada high-tech só puderam ser projetados porque conhecemos a mecânica quântica
A mecânica quântica é a teoria que descreve o comportamento da matéria na escala do "muito pequeno", ou seja, é a física dos componentes da matéria; átomos, moléculas e núcleos, que por sua vez são compostos pelas partículas elementares.
O advento da Física Quântica causou e tem causado enormes transformações na vida de todos nós .Nem sempre e nem todos estamos conscientes dos modos pelos quais uma revolução científica iniciada há cem anos pode-nos afectar ainda hoje, mas provavelmente já ouvimos falar de seu impacto na evolução da própria Física e de toda controvérsia gerada pelas dificuldades conceptuais de interpretação dos fenômenos quânticos . Os seus efeitos, porém, estender-se para além da Física, com desdobramentos importantes na Química, com a teoria de orbitais quânticos e suas implicações para as ligações químicas, e na Biologia, com a descoberta da estrutura do DNA e a inauguração da genética molecular, apenas para citar dois exemplos.
O Físico alemão W. O. Shumann , constactou em 1952 , que a terra era cercada por um campo electromagnético que se forma entre o solo e a parte inferior da ionosfera que fica a 100 kms acima de nós . Esse campo possui uma ressonância ( ressonância Shumann ), mais ou menos constante com uma frequência de 7,83 hertz e que fora desta frequência biológica natural, não podemos ser saudaveis . Sempre que os astronautas, em razão das viagens espaciais, ficavam fora da ressonância Schumann, adoeciam. Mas submetidos à acção de um “simulador Schumann” recuperavam o equilíbrio e a saúde.
É esta a frequência do nosso cérebro e de todos os vertebrados.
Só que a partir dos anos 80 do século XX e de forma mais acentuada a partir dos anos 90 a freqüência passou de 7,83 para 11 e para 13 hertz por segundo. O coração da Terra disparou. Concomitantemente fizeram sentir-se desequilíbrios ecológicos , perturbações climáticas, maior actividade dos vulcões, crescimento de tensões e conflitos no mundo e aumento geral de comportamentos desviantes nas pessoas, entre outros. Devido a aceleração geral, a jornada de 24 horas, na verdade, é somente de 16 horas. Portanto, a percepção de que tudo está a passar rápido demais não é ilusória, mas teria base real neste transtorno da ressonância Schumann.
O norte americano Royal Raymond Rife dedicou mais de sessenta anos da sua vida à construção , projecção e desenho de equipamentos médicos nomeadamente ópticos ( microscópio universal ) e investigação da medicina bio-eléctrica . Rife investigou as freqüências de áudio e proclamou que a elas se deviam os resultados felizes que vinha observando, e nunca às ondas contínuas, por si mesmas. Os geradores modulados de rádio frequência de Rife foram os primeiros dispositivos modernos a simular a função dos velhos aparatos electro-terapeuticos de ondas amortecedoras.
Aumentando a intensidade de uma frequência que ressonava naturalmente num micróbio Rife aumentou as suas oscilações naturais até que eles distorcerem e desintegrarem no seu stress natural. Rife chamou a esta frequência de “taxa oscilatória mortal (TOM), não causando quaisquer danos aos tecidos vizinhos.Estes princípios podem ser ilustrados pelo uso de uma intensa nota musical para quebrar uma taça de vidro: as moléculas do vidro oscilam em algum harmônico (múltiplos) dessa nota musical, estando em ressonância com elas. Como todas as outras têm frequências de moléculas ressonância diferentes, nada além do vidro é destruído.
Entre , muitos outros cientistas, que contribuíram indelevelmente para o conhecimento científico, prestamos aqui homenagem, a alguns que contribuiram directa ou indirectamente para o desenvolvimento da medicina quântica .
 

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Como funciona ?

Cada elemento ou orgão do nosso organismo tem uma frequência electro-magnética exclusiva e universal a qual envia informação ao corpo electro-magnético . São estas frequências que permitem , através de um equipamento de software muito sofisticado medir a radioactividade electro fisiológica ( EPR) do paciente o que associado ao potencial evocado permite proceder a rápidos diagnósticos e processos de tratamento das enfermidades , equilibrando o campo energético do organismo.

Como funciona, então, a terapia quântica ?

As metodologias utilizadas são a biorressonância e o biofeeback as quais incluem o " auto-focus" que permite os ajustamentos e rectificações permanentes das frequências durante a terapia.

Como nos electroencefalogramas - EEG , ou nos electrocardiogramas - ECG ou nos electromiogramas - EMG, que utilizam o princípio do potencial evocado para proceder ao registo da corrente eléctrica estimulada e dessa forma proceder aos diagnósticos, a medicina quântica, não só realiza o diagnóstico como utiliza o método, como processo para terapia.

Assim, utilizando o estimulo ao potencial evocado são ligados sensores aos pulsos, cabeça e tornozelos para medir e enviar informações da ressonância e as frequências.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Para que serve ?



Estabilização da rede neuronal, detecção de traumas

Reactividade inconsciente, desensibilização alérgica

Dores, relaxamento, flexibilidade, fadiga crónica, sistema imunitário, oxigenação

Reparação metabólica, reparação neurológica

Anti-envelhecimento, eliminação de rugas, eliminação de gordura corporal


Entre muitas mais ...

Teste, diagnóstico e terapias integradas

Teste, diagnóstico e terapias integradas
Numa verdadeira medicina da informação, a velocidades de permuta de informação celular a 200 transações por segundo, efectuam-se as seguintes operações e medidas : 1º Envia frequências 2º Procede à leitura das respostas 3º Calcula e envia rectificações 4º Mede a melhoria resultante